PROMOÇÃO

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Dor e comoção no enterro das vítimas da chacina que deixou 14 mortos

Dor e comoção no enterro das vítimas da chacina que deixou 14 mortos
"Minha mãe era inocente! Volta pra mim, mãe. Eu quero a minha mãe. Não vai embora!". O grito desesperado de um jovem, ao se despedir da mãe, morta na maior chacina da história do Estado, rompeu o silêncio do sepultamento das vítimas e levou todos às lágrimas, ontem à tarde, no Cemitério do Bom Jardim. A dor de ter um ente querido perdido, de uma forma inacreditável, feriu a cada pessoa presente. Edneusa Pereira de Albuquerque tinha 38 anos, era dona de casa e tinha nove filhos. A mais velha tem 21 anos, dois filhos e oito irmãos para, a partir de agora, cuidar. Os órfãos são crianças e adolescentes - têm entre três e 17 anos.
A vítima morava no Barroso, próximo de onde foi morta, e costumava ir ao 'Forró do Gago' para se divertir. "Ela adorava dançar, gostava de festa. E era muito querida. Só a família não, mas todo o bairro está muito abalado. Todo mundo se reuniu para enterrá-la", contou uma amiga, que não quis se identificar.

Um ônibus carregou dezenas de pessoas para se despedirem de Edneusa.
A comoção foi geral. "Há 14 anos trabalhando aqui, eu nunca vi um negócio desses", afirmou uma funcionária do Cemitério Parque Bom Jardim, ao fim do enterro.


Diario do Nordeste

Nenhum comentário: