PROMOÇÃO

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

52% dos estudantes da Capital relatam violência na vida escolar

| VIOLÊNCIA | A pesquisa foi realizada com 667 alunos do ensino médio da rede pública em Fortaleza

Entre 667 alunos que cursam o ensino médio na rede pública em Fortaleza, 52% afirmaram já ter sofrido algum tipo de violência durante a vida escolar. Brigas, xingamentos, bullying, racismo, homofobia ou roubos e furtos nos arredores de onde eles estudam. Uma pesquisa ouviu meninos e meninas, detectou os riscos enfrentados por eles e constatou uma triste realidade: relatos de pensamentos suicidas e de automutilação.
O estudo, coordenado pela socióloga Miriam Abramovay, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), aplicou questionários para 1.300 estudantes de Fortaleza e Porto Alegre em 2017. Sete temas foram abordados: dados socioeconômicos, sociabilidade, família, trajetória escolar, clima escolar, arredores das escolas e o futuro dos jovens.

"Quando você pergunta se aquela pessoa já foi vítima de violência, ela pode entender o que ela quiser. É um estudo sobre percepção", explicou Miriam. Os percentuais encontrados nas escolas cearenses dialogam com os índices sulistas. Outro estudo com o mesmo objetivo já havia sido feito em 2015, em outros seis estados.

De acordo com a socióloga, após o questionário, eram realizados grupos focais de discussão. Foram nesses momentos em que se identificou algo novo e grave. "No Ceará, com mais ênfase, houve a questão da automutilação e do suicídio. Chamou a atenção como a escola não dá conta disso", detalhou. A automutilação, de acordo com os relatos, é uma forma de os jovens não se suicidarem. "Porque a vida deles é muito difícil. Afirmavam que se sentiam estressados, tristes e deprimidos", acrescentou.

A pesquisa resultou na elaboração de planos de ação, com ênfase na participação e escuta dos adolescentes. Por meio da Educomunicação, com vídeos, jornal, fanzines e outros recursos, os estudantes expunham o que pensavam e queriam do ambiente escolar.

Ao O POVO, a Secretaria da Educação do Estado (Seduc) se posicionou por meio de nota. Destacou projetos que agregam conhecimento e valores ao projeto de vida dos adolescentes.

Seduc

Secretaria da Educação destacou atuação das escolas de tempo integral, do programa de competências emocionais, do projeto professor diretor de turma e das Celulas de Mediação Social e Cultura de Paz.

O POVO

Nenhum comentário: