PROMOÇÃO

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Temer admite suspender intervenção militar no Rio para votar Previdência

Foto: Marcos Corrêa / PR

Em entrevista à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente Michel Temer admitiu suspender, provisoriamente ou definitivamente, a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro para votar a reforma da Previdência ainda este ano.

Conforme a lei, a intervenção impede a votação de emendas constitucionais, como é o caso da tramitação da PEC 287/2016, que altera as regras de aposentadoria e pensão. As informações são da Agência Brasil.

"Como depende de votação em primeiro e segundo turnos, de repente pode suspender a intervenção", disse nesta terça-feira (25), em Nova York, nos Estados Unidos. Ele assinalou que "o combate ao crime [no Rio] deu resultado" e admitiu até o fim da intervenção no estado.

"Vamos dizer que [caso] se encerre a intervenção, é preciso manter a estrutura que lá foi montada", afirmou. A intervenção está prevista para terminar em 31 de dezembro de 2018. De acordo com Temer, a decisão vai depender de conversações entre o primeiro e segundo turnos das eleições (dias 7 e 28 de outubro) e também da vontade de seu sucessor. 

Na segunda (24), Temer se reuniu com cerca de cem empresários norte-americanos, e disse que "a mensagem que passou ao mercado" é a de que haverá reforma da Previdência Social, independentemente de quem venha a ser escolhido como novo presidente da República. A intenção de Temer é levar para os plenários da Câmara dos Deputados e do Senado o projeto aprovado em comissão especial da Câmara desde o primeiro semestre do ano passado.

O presidente garantiu aos empresários norte-americanos que "passadas as eleições, quem chegar vai ter que continuar as reformas que fizemos". Michel Temer lembrou na entrevista que durante o seu mandato reduziu a inflação, baixou a taxa de juros (Selic) e aprovou reformas como a mudança na legislação trabalhista e a emenda constitucional que estabelece o teto de gastos.

"Eu duvido que quem seja eleito tente derrubar e, portanto, consiga apoio no Congresso para derrubar o teto de gastos públicos", sublinhou. "Eu quero ver quem vai chegar e vai dizer: 'Eu quero mudar tudo isso. Eu quero inflação de 10%.Eu quero juros de 14,25%'".

Transição Segundo o presidente, o governo está preparado para fazer uma "transição tranquila". Uma comissão para fazer a transição já foi "desenhada" no Palácio do Planalto e estão prontos "cadernos do governo" sobre as realizações em cada estado da Federação. Os ministérios também preparam relatórios individuais, afirmou.

O presidente discursou na abertura da Assembleia Geral da ONU, que acontece em Nova York.

por Folhapress

Nenhum comentário: