terça-feira, 23 de julho de 2019

Bolsonaro quer embargar dados de desmate para não ser 'surpreendido'

Foto: Lilo Clareto / ISA

Três dias depois de dizer que os dados de desmatamento publicados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) não condizem com a verdade e prejudicam o Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu que as informações sobre derrubada de floresta passem antes por ele porque não quer ser "pego de calças curtas" com questões importantes que podem prejudicar negociações do país.

"Você pode divulgar os dados, mas tem que passar pelas autoridades até para não ser surpreendido. Até por mim, eu não posso ser surpreendido por uma informação tão importante como essa daí. Eu não posso ser pego de calças curtas. As informações têm que chegar a nosso conhecimento de modo que nós possamos tomar decisões precisas em cima dessas informações", disse.

Ao deixar um almoço no Comando da Aeronáutica, ele também afirmou que os dados deveriam passar pelo crivo do Ministério da Ciência e Tecnologia.

"Eu estou acostumado com hierarquia e disciplina, e no governo sei que a maioria é civil. Então quando o Inpe detecta um dado qualquer, ele tem que subir os dados para o ministro Marcos Pontes, de Ciência e Tecnologia, antes passando pelo Ibama para divulgar", disse.

Bolsonaro se referia aos dados mais recentes sobre desmatamento do sistema Deter, do Inpe, um instrumento de fiscalização cujos dados são enviados diariamente ao Ibama para ajudar no combate ao desmatamento.

Embora o Deter tenha sido desenvolvido como um suporte à fiscalização, ele pode ser usado como indicador de tendências do desmate anual.

Segundo esses dados preliminares de satélites, mais de 1.000 km² de floresta amazônica foram derrubados na primeira quinzena deste mês -- um aumento de 68% em relação a julho de 2018.

Já os dados consolidados sobre o desmatamento total no ano (período entre julho de um ano e agosto do ano seguinte) são produzidas pelo Prodes, do Inpe. Ele usa sensores de satélite mais potentes e apresenta a totalização apenas uma vez por ano.

A publicidade de dados de desmatamento é garantida pela Lei de Acesso à Informação e também pela política de dados abertos do governo federal, instituída por decreto em 2016 e confirmada por Bolsonaro em abril, quando o presidente passou à CGU (Controladoria-Geral da União) a responsabilidade de coordenar o processo de abertura de dados dos órgãos do Executivo.

O monitoramento do desmatamento já havia sido alvo de críticas do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. À Folha ele disse que "os dados do Inpe são bons, mas não são precisos". Também culpou o atual monitoramento pela ineficácia no combate ao desmate e já demonstrou o desejo de trocá-lo por uma empresa privada.

Mas, na sexta, foi a vez de o próprio presidente dirigir as críticas ao Inpe. Além de questionar a idoneidade dos dados e seu efeito na imagem do país no exterior, sugeriu que o diretor do instituto, o engenheiro Ricardo Galvão, poderia estar a serviço de ONGs.

No domingo voltou ao tema. "O que nós não queremos é uma propaganda negativa do Brasil. A gente não quer fugir da verdade, mas aqueles dados pareceram muito com os do ano passado", afirmou Bolsonaro.

Galvão respondeu. Disse que pode até ser demitido, mas que o instituto é cientificamente sólido o suficiente para resistir aos ataques do governo. A comunidade científica saiu em sua defesa.

"É um momento importante de apoio ao Inpe e os resultados desse esforço que está fazendo a comunidade científica já estão aparecendo. Eu recebi uma mensagem do ministro de Ciência e Tecnologia, que está nos EUA para a comemoração dos 50 anos do homem na Lua, e ele pediu que eu desse mais informações sobre os métodos [de detecção do desmatamento]. Ele, na verdade, sempre apoiou o Inpe e está tentando abrir um canal de diálogo com a Presidência para que consigamos estabelecer uma solução apaziguadora."

Nesta segunda, porém, o ministro da Ciência, Marcos Pontes, endossou as críticas feitas por Bolsonaro. Em nota publicada em rede social, ele disse compartilhar da estranheza expressa pelo presidente quanto aos dados. Afirmou também discordar da maneira como agiu Galvão, ao se dirigir à imprensa, e que chamou o diretor do Inpe para "esclarecimentos e orientações".

O ministro disse que solicitou ao instituto relatório técnico com resultados da série histórica dos últimos 24 meses, assim como dados brutos, metodologia aplicada e "quaisquer alterações significativas desses fatores" no período.

Depois de dizer que chamaria Galvão para dar explicações, Bolsonaro disse agora que o chefe do Inpe vai ser ouvido por seus ministros.

"Você pode ver, é a mesma coisa aqui que um sargento e um cabo passa para frente uma notícia sem passar pelo capitão, coronel, brigadeiro, não está certo isso daí", disse.

Em junho, na véspera do G20, o presidente francês, Emmanuel Macron, chegou a ameaçar suspender as tratativas comerciais entre a União Europeia e o Mercosul se Bolsonaro não se comprometesse com o Acordo de Paris, que trata de questões climáticas. Após a conversa entre ambos e compromisso do brasileiro, o tratado foi assinado.


"Não pode alguém na ponta da linha simplesmente resolver divulgar esses dados porque pode haver algum equívoco e neste caso, como divulgou, há um enorme estrago para o Brasil. A questão ambiental o mundo todo leva em conta. Outros países, com os quais estamos negociando a questão do Mercosul, ou até um acordo bilateral, dificultam [as tratativas] com a divulgação desses dados", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de o diretor ser demitido, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, disse que Bolsonaro não tratou do assunto com ele.



por Folhapress

Nenhum comentário: