Com o período festivo do Carnaval se aproximando, cresce a preocupação da mistura entre folia, álcool e direção. Um dos principais instrumentos de inibição desse comportamento é a Lei Seca, que completa 12 anos de vigência em 2020. Nesse tempo, ela ficou conhecida por reduzir a zero a tolerância com motoristas que pegam no volante estando embriagados. Contudo, o número de autuações com base no dispositivo cresceu 63,4% nos últimos dois anos, em rodovias estaduais e federais que cortam o Ceará.

O aumento leva em consideração dados da Polícia Rodoviária Federal no Ceará e da Polícia Rodoviária Estadual em conjunto com o Departamento Estadual de Trânsito. Em 2018, foram registradas 3.794 autuações, contra 6.201 no ano passado. No mesmo período, a média mensal passou de 316 para 516 autuações.

Aparentemente, a atitude dos motoristas pouco parece ter mudado mesmo com a Lei se tornando mais severa em 2018, quando aumentaram as penas para motoristas que cometerem homicídio ou causarem lesão grave ou gravíssima ao dirigir alcoolizado ou sob efeito de qualquer outra substância psicoativa. O condutor está sujeito à reclusão de cinco a oito anos, além de outras possíveis sanções.

Ceará Agora