Foto: Lula Marques


O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o uso da Força Nacional para atuar na preservação da ordem pública e para apoiar ações contra a pandemia do novo coronavírus.

A liberação está publicada em edição extra do Diário Oficial da União da última segunda-feira e é válida por 60 dias.

De acordo com a portaria, a Força Nacional vai poder ser empregada no auxílio de profissionais da área da saúde para que eles atendam casos suspeitos e confirmados da doença; no reforço da segurança dos centros de saúde, entre eles hospitais e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento); no auxílio para segurança, distribuição e armazenamento de produtos e insumos médicos; na segurança, distribuição e armazenamento de alimentos e produtos de higiene; na segurança e no controle sanitário de portos, aeroportos, rodovias e centros urbanos; no patrulhamento para evitar saques e vandalismos; e em campanhas de prevenção ou proteção de locais para a realização de testes rápidos por agentes de saúde.


A Força Nacional também vai poder ser chamada para assegurar medidas de quarentena e isolamento. A norma também estabelece que as ações dos agentes da corporação deverão "ser obrigatoriamente coordenadas com os governos dos estados e do Distrito Federal".


Durante a crise, o presidente da República Jair Bolsonaro chegou a manifestar preocupação com possíveis saques. Esse tem sido um dos seus argumentos contra a paralisação geral da população. Segundo a Folha de S. Paulo, chegou ao Planalto um prognóstico que, caso a quarentena se estenda até o final de abril, a expectativa de roubos aumente.



por Ulisses Gama