Nos últimos dias, órgãos de meteorologia dos Estados Unidos captaram a chegada de uma larga nuvem de poeira nas américas, formada no deserto do Saara, na África. Chamado

Foto: reprodução do google



. Chamado de "nuvem de poeira godzilla" por especialistas, o fenômeno tem camadas de partículas entre três e cinco quilômetros de espessura. Em Fortaleza, de acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), os efeitos devem ser sentidos apenas na coloração do céu durante o nascer e o pôr do sol.


A Capital cearense, conforme modelos de previsão da Sede da Região Leste do Serviço Meteorológico Nacional dos Estados Unidos, está na "periferia" da nuvem de poeira saariana e por isto não deve sofrer consequências mais intensas. Ilhas do Caribe já sentiram os efeitos da nuvem de poeira saariana e alertaram a população para evitar contato com as partículas de ar, segundo a BBC.

O fenômeno é considerado comum e ocorre anualmente, porém conforme imagens de satélite, neste ano a intensidade deve ser maior. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOOA, em inglês) indica que a coluna de poeira continuará se movendo ao oeste pelo Mar do Caribe, chegando até áreas do norte da América do Sul, America Central e Costa do Golfo dos EUA até a noite do próximo domingo, 28.

Nesta quarta-feira, 24, a NOOA divulgou imagens de satélite que mostram a "nuvem godzilla" já encobrindo a região do Caribe e uma boa parte do Golfo do México. No Twitter, um perfil que registra eventos meteorológicos publicou fotos comparando a costa de São Bartolomeu, uma ilha caribenha, antes e depois da chegada nuvem de poeira no último domingo, 21.

Portal Sert News via Jornal O Povo